21/08/2009

"Não tem como" ou "não é uma boa idéia"?

Um dos problemas além de não encontrar a casa das pessoas, é chegar até nelas. Algumas vezes não tem como. Em outras, não é uma boa idéia.

Agora estou fazendo a região das praias - Praia do Sonho, Praia da Pinheira e Guarda do Embaú (sem rima, please!). Muitos me perguntam o porquê de eu não assumir a região das praias no verão, para que eu possa aproveitar o horário livre na praia, no sol e no mar.

É simples: se nesta época de inverno é difícil de encontrar as pessoas, imagine no verão onde muitos alugam suas casas para turistas e ficam em casa de parentes em outras regiões? Pensando positivo, não teria tanto trabalho, mas, em contrapartida, não acharia ninguém e a justiça ficaria mais lenta do que já é, atrasando ainda mais o andamento processual.


Independente da época, os obstáculos estão presentes. Sempre.


Na praia do Sonho, por exemplo, tem placas de que é proibido veículo na beira da praia, na areia, nas dunas, mas é inevitável porque a areia tomou conta da Avenida Beiramar e das duas, uma: ou deixo o carro antes e vou à pé, ou entro de carro pela areia. Pensa que é brincadeira? Não mesmo!


Não tem como:



Quando não é o problema da areia, é da água.


Qualquer chuva, por mínima que seja, atrapalha tudo. E para piorar, é sempre a rua em que eu preciso ir: "Lei de "Smurf", sempre acontece comigo!" (adoro essa expressão que ouvi de uma senhora no começo do meu trabalho!).


E esta eu registrei também, em duas praias diferentes, inclusive em ruas bem longe do mar e ÓBVIO, em ruas que eu precisava ir:



Não tem como:



Isso não é nada quando os obstáculos não são apenas da natureza, mas sim, obstáculos "animais". Como o tal do "Smurf" me persegue, na mesma rua, em casas diferentes tive uma nada agradável surpresa e - claro - não consegui encontrar as pessoas desejadas...

NÃO É UMA BOA IDÉIA!


Alguém se habilita? Tô fora!