13/01/2011

Cesta para alguém, ponto para você

A campanha de Natal ainda está rendendo bons frutos. Constantemente recebo doações de roupas e cestas básicas. Com isso, mesmo depois da campanha, da folga do recesso e na volta ao trabalho, continuo entregando doações na comunidade Frei Damião.


Uma delas foi na casa de um moço que conheci quando fui cumprir um mandado de condução e para quem não sabe, este mandado surge quando alguém foi intimando na audiência e não compareceu. Assim, num outro dia e numa outra hora, o magistrado marca uma audiência e o Oficial de Justiça deve buscar a pessoa no horário marcado e, se necessário, com reforço policial (graças à Deus, nunca precisei dessa ajuda).

E foi numa dessas que conheci Adilson. Um cara novo, casado e pai de três crianças. Moram numa casa não tão ruim, de madeira, dois andares (fez o segundo andar depois que uma enchente alagou tudo). Na mesma casa: sua mãe e mais quatro crianças, com a média de idade de seus filhos.

No recesso fui visitar Adilson, juntamente com uma nova amiga que também trabalha no Fórum, Fernanda Nucci, onde levamos cestas básicas e brinquedos para as crianças. Ocorre que ao chegar lá e conversando com ele, fiquei sabendo que sua mãe faleceu há dois meses num acidente. Ou seja, ele está cuidando de sete crianças: seus três filhos e quatro irmãos pequenos. Deixamos duas cestas básicas e brinquedos que amenizou a tristeza que estava no ambiente por conta do ocorrido.

Na ocasião, Adilson me chamou pedindo auxílio porque foi assaltado, perdendo todos seus documentos, exceto a carteira de trabalho. Não estava conseguindo fazer os documentos porque precisa da certidão de nascimento de sua cidade de origem, mas não tem dinheiro para ir até lá.

Com a ajuda de Fernanda, estamos na busca dos documentos com o cartório da cidade onde ele nasceu. Se tudo der certo, na próxima semana terei os documentos em mãos e nosso amigo Adilson estará apto à procurar o emprego. Aliás - ele ainda não sabe - mas já consegui duas entrevistas de emprego em empresas que conheci por conta do meu trabalho. Portanto, pessoal, todos com pensamento positivo para que tudo se resolva... valendo!

Por conta das muitas doações que recebi e ainda continuo recebendo, percebi que muitas pessoas querem ajudar alguém de alguma forma, mas não sabem como e, principalmente, não sabem o real destino do que estiverem doando. Digo isso com certeza porque eu só faço alguma doação quando realmente sei quando o que doei, será realmente utilizado.

Já que a campanha de Natal foi um sucesso, gostaria muito de pôr em prática o meu desejo de Natal. Para quem não lembra, segue abaixo o que escrevi naquela publicação:


"Com esta maravilhosa experiência, concluí que com relação ao Natal não existe segredos ou mistérios. Para saber o seu real significado, basta olhar para dentro de nós mesmos. A época de Natal nos deixa mais sensíveis, propícios à amarmos mais, sermos mais carinhosos, mais solidários. O nascimento do menino Jesus tem o poder de causar essa mudança de comportamento em todos nós.

Felizmente surgem muitos voluntários, pessoas arrecadando donativos, pessoas se abraçando e se emocionando com o sentimento natalino.

Sejamos honestos e concordar que isso só acontece nesta época do ano, pelo menos com esta tamanha intensidade.

Será que é muito difícil sermos assim durante todo o ano? Convenhamos que o mundo não funciona somente no Natal, as crianças não necessitam de carinho, atenção, somente nesta época. As pessoas não querem abraço também somente nesta época. Todo dia é dia e podemos sim fazer isso. Não custa muito, mas com pequenas atitudes que deveriam ser corriqueiras em nossas vidas, inclusive na minha.

Meu desejo de Natal é que nascesse um menino Jesus todos os dias do ano! Que ele esteja em seu coração, sempre!"

Por conta da vontade das pessoas em doar sem saber como, por conta das doações que constantemente recebo e, por fim, por conta da quantidade de pessoas que constantemente precisam de ajuda, tive algumas idéias de ajuda na comunidade Frei Damião que podemos, juntos, fazer para o próximo ano.

Uma idéia é:

Leitura na árvore:

Objetivo: estimular o hábito da leitura com crianças da comunidade Frei Damião. Local: terreno em frente à Padaria Mãe Maria, onde foi feita a campanha de natal.

Providências: Identificar voluntários para que, num determinado dia (por exemplo: todos sábado pela manhã) faça a leitura de um livro infantil para as crianças. Fazer atividades (pintura, desenho, etc) relacionada ao texto.

Essas são apenas duas que penso que poderão ser feitas anualmente, sempre, sem uma data específica.

☆ ☆ ☆

Para o mês de fevereiro, será feita a campanha para aquisição de Material Escolar.

Já fiz um formulário de cadastramento das crianças e contarei com ajuda de pessoas que trabalham na comunidade Frei Damião e conhecem as crianças que realmente possuem necessidade de adquirir material escolar.

Muita gente comenta que não é necessário porque o governo fornece material. Tudo bem, fornece. Mas em junho ou agosto. Isso mesmo, na metade do ano. Não me pergunte o porquê, pois realmente não sei. Mas é a reclamação de muitas famílias de lá.

Até o final do mês será feita a publicação sobre a "adoção de material escolar".

No decorrer do ano, em junho - mês de meu aniversário - teremos o "II Carreteiro Oficial", um almoço beneficente principalmente para aquisição de cobertores e edredons, já que é um mês muito frio.

☆ ☆ ☆

Por fim, para que não consegue, não pode ou não quer ajudar em nenhuma das maneiras acima, mas tem vontade de ser útil, uma simples cesta básica - custa, em média, R$ 30,00 - já é de uma grande ajuda.

Aliás, cesta básica sempre, independente de ter alguma campanha ou não, poderá ser doada. Quem mora em Floripa, tenho um ponto de entrega no bairro Santa Mônica. Em Palhoça, no Fórum. Ou então, se não puder entregar em nenhum dos dois locais, eu busco, sem problemas.

Para facilitar ainda mais, pode(m) depositar o valor na minha conta, que eu compro, entrego e depois mando a nota fiscal. Aliás, ainda existe valores em dinheiro oriundos da campanha de Natal que serão utilizados para ajudar nas próximas campanhas.




Vamos, portanto, deixar o comodismo de lado.
E para muitos que não sabiam como e quem ajudar, problema resolvido!


"Se temos de esperar, que seja para colher a
semente boa que lançamos hoje no solo da vida.
Se for para semear, então que seja para produzir
milhões de sorrisos, de solidariedade e amizade"

Cora Coralina