23/12/2011

Amigos do Papai Noel

Nem mesmo os aproximados 40º C, o tempo seco e poeira fizeram com que perdêssemos a disposição de entregar presentes na comunidade Frei Damião, inclusive tão próximo do Natal.

Na companhia da Marciane, minha afilhada Ingrid - de nove anos - e dos novos amigos Daiana e Juliano, nos encontramos em frente à padaria Mãe Maria, situada próximo da entrada da comunidade Frei Damião e seguimos na entrega do que arrecadamos, mesmo depois da festa de Natal do dia 09/12.

Carros arrumados com as doações (inclusive chocolates, mesmo com o calor) e pé na estrada!




clique para ampliar
Já estava praticamente programado os lugares e as famílias que visitaríamos. E a primeira delas foi da "família do bilhetinho". Para quem não sabe, foi deixado um bilhetinho comigo para que eu entregasse ao Papai Noel. Para minha surpresa era somente nome e idade de sete crianças. Como eu estava na organização do Natal da creche, para não "perder o foco", publiquei somente no Facebook o tal bilhetinho (ao lado) sendo que, em menos de cinco minutos consegui brinquedos para todas as crianças listadas.

Trata-se da família da Sra. Clotilde, que cuida filhos e netos. Vive de reciclagem e se tornou uma amiga depois que eu a conheci num outro bairro recolhendo reciclados. 

Naquela ocasião ela estava com as crianças na carroça e passou um caminhão vendendo batatas no valor de R$ 15 por um saco de 40 quilos. 




Percebi que contou moedas para ver se tinha o valor e diante da reação desapontada dela, comprei as batatas e a partir de então, ficamos amigos.

Abaixo, a entrega dos presentes às crianças, caixa de bombons aos adultos e uma cesta básica completa doada pela Daiana.







A segunda visita foi na casa da Sra. Maria de Paula, que também vive de reciclagem e cuida de  11 crianças (filhos e netos) enquanto seus filhos estão no trabalho. É sempre a maior festa quando alguém aparece por lá, a felicidade e o carinho as crianças são indescritíveis.


































A próxima parada foi na chamada rua Beira Rio, onde apesar de não beirar rio algum, é paralela com a "Rua da Vala", onde tem uma vala de esgoto à céu aberto que percorre toda a extensão da estrada. Lá reside dois irmãos, Ronaldo e Daniel - que jogam futebol na escolinha Monte Castelo, aquela que fizemos uma campanha de arrecadação de camisetas - além de outras pessoas conhecidas de "mandados" meus.









Depois seguimos pela rua onde encontramos uma residência com várias crianças brincando na rua e quando perceberam que tinha alguma coisa diferente nos carros, um deles gritou:


"Ei, tem um brinquedinho aí?" - acertou!


Paramos e começou a entrega...






















Seguindo pelo nosso trajeto, encontramos uma senhora muito simpática com duas crianças onde deixamos uma cesta básica com ela e brinquedos para as meninas.














A nossa próxima visita foi numa senhora que cuida de duas crianças que participaram da festa de Natal na creche Ulisses Guimarães no último dia 09 de dezembro.


Um é o Luiz Henrique (adotado na campanha de Natal por Bárbara Silva) e a irmã é a Franciele (e quem adotou na campanha foi Ana Paula Steffani).


A senhora que cuida dos dois nem é parente, ela é ex-companheira do avô das crianças. Entendeu? Não? Vamos lá... o moço tinha os dois filhos e o pai dele era companheiro da senhora que cuida das crianças. Ou seja, é uma vó emprestada. Para sustentar as crianças, vende maquiagens, sandálias e artesanato.


Apesar das dificuldades, é muito alegre, espontânea e de bem com a vida...











Saindo de lá, fomos mais para os fundos da favela, nas proximidades do Mercado do Alemão, um ponto de referência bem comum para todos que lá residem. Fomos na residência de Adilson. Aliás, eu já contei a história dele no começo do ano. Abaixo, a transcrição de uma parte daquela publicação:

"No recesso fui visitar Adilson, juntamente com uma nova amiga que também trabalha no Fórum, Fernanda Nucci, onde levamos cestas básicas e brinquedos para as crianças. Ocorre que ao chegar lá e conversando com ele, fiquei sabendo que sua mãe faleceu há dois meses num acidente. Ou seja, ele está cuidando de sete crianças: seus três filhos e quatro irmãos pequenosDeixamos duas cestas básicas e brinquedos que amenizou a tristeza que estava no ambiente por conta do ocorrido.  - Caso queira ler na íntegra a publicação de 13/01/2011, clique aqui.

Você já se imaginou cuidando de sete crianças?
Como a situação não mudou muito, deixamos mais duas cestas básicas com ele, brinquedos e doces para as crianças de sua família e da vizinhança.

















Seguindo pela comunidade, fomos numa rua que, segundo os moradores, "nunca alguém aparece por lá...". Confesso que já ouvi muita reclamação deste tipo e é bem complicado porque quando paramos num lugar assim, o número de crianças é sempre muito maior do que o esperado. DITO E FEITO!





















Resolvemos então, seguir para uma outra rua mais na entrada da comunidade e paramos na casa de uma família que também conheço por conta dos mandados que já entreguei naquela região. A moça que está grávida teve que se mudar para a casa da mãe porque foi despejada. Vai ganhar uma menina que chegará daqui um mês. Detalhe: ela já tem quatro filhos e, segundo ela, "a enfermeira do posto disse que não pode fazer laqueadura porque tem pressão alta" - será? Bom, como não entendo...

Na ocasião, deixamos brinquedos e doces para as crianças e como as cestas básicas haviam acabado na rua anterior, minha amiga Marciane se comprometeu em deixar uma em sua padaria para que o marido da moça grávida fosse buscar.





Como sobraram alguns brinquedos e doces, levamos tudo para a cidade de Biguaçu, numa localidade chamada "Morro da Bina" e deixamos aos cuidados de "Zica", conhecida da Marciane que fará uma festa para as crianças daquele local no próximo sábado.



Para quem não sabe, na festa de Natal do ano passado, sobraram muitos presentes e foram levados lá, beneficiando muitas crianças carentes. Papai Noel atravessando fronteiras!

Agradecimentos especiais:

Ao nosso menino Jesus e à todos que ajudam e ajudaram a deixar um sorriso - mais do que valioso - em cada criança; à Marciane - minha grande amiga e parceira nas campanhas - que está sempre disposta em ajudar e colocar em prática minhas idéias muitas vezes malucas; aos novos amigos Daiana e Juliano que se prontificaram em passar uma tarde de solidariedade com muito calor, principalmente de calor humano.

Gostaria de agradecer também à HCR Ar Condicionado, que no dia da festa das crianças na creche, emprestou uma Fiorino para levar todos os presentes e doou 20 (vinte) cestas básicas para doação (estas que foram doadas nesta publicação).


A melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida.

FELIZ NATAL!