15/05/2012

O dia das mães

Foi com muita alegria, numa tarde refrescante de sol que tivemos a certeza que fizemos o dia das mães diferente de algumas mães da comunidade Frei Damião.

Antes do horário combinado fui na casa da Dona Maria levar os refrigerantes para gelar. Lá encontrei um dos seus netos, chamado Ariel - e por sinal - o meu preferido, que foi comigo encontrar os voluntários. Ele tem os pais, mas sempre que me encontra fica grudado, tem ciúme das outras crianças e quer toda a atenção. Desde que o conheço, há quase 03 anos é assim. Talvez seja por isso que nos damos muito bem...



Depois de encontrar Terezinha, minha colega de trabalho, e minha prima Flávia, seguimos em direção à casa da Dona Maria para começarmos a tarde diferente. Aos poucos as crianças foram chegando e começamos a bagunça com brincadeiras na rua e muitos sorrisos...














Depois de todos estarem bem cansados, a fome bateu. As crianças já sabiam que teria um bolo - algumas já me perguntaram quando cheguei - e para acalmar os ânimos com a bagunça, convocamos todos para arrumar a mesa e os lugares para o lanche.

A sempre parceira - Padaria Mãe Maria - representada pela amiga e praticamente um irmã, Marciane - preparou um bolo enorme, entregou no local e não cobrou nada por isso...




Depois do lanche foram as entregas das lembrancinhas às mães.

Apesar de simples, percebemos que foi algo bem especial e diferente para elas e pelo o que pude perceber, quem sabe nunca ou raramente o dia das mães é comemorado naquela família, certamente sempre passando em branco.










Antes de chegarmos no local eu comprei uma bola e minha prima comprou cinco pipas, que é o brinquedo preferida da criançada, sejam as meninas ou os meninos. Como tínhamos menos brinquedos do que crianças, fizemos um sorteio.

Em princípio, a idéia era levar brinquedos para as crianças, mas pensando bem, pensei que elas deveriam aprender que aquele dia eram somente para as mães.

E isso foi o o que aconteceu.

Algumas crianças pediram os presentes que as mães ganharam, mas elas mesmas diziam aos filhos que eram somente pra elas, porque era o DIA DAS MÃES.



Passamos apenas quatro horas do nosso sábado, véspera do dia das mães, não nos custou quase nada e mesmo que tivesse custado, nenhum valor seria em vão, porque só em ver a alegria da criançada em receber um pouco de atenção, além das mães que ficaram surpresas e felizes em terem sido lembradas, não tem valor que pague aqueles momentos.



Por fim, gostaria de agradecer, de coração, àqueles que ajudaram à proporcionar uma tarde simples, porém, diferente e nem marcante para algumas mães que - quem sabe - jamais comemorou seu dia.

Não gastamos muito, seja em dinheiro ou em tempo, e conseguimos proporcionar uma tarde diferente e, talvez, marcante, seja para as mães, quanto para as crianças.

Sintam-se TODOS abraçados, PRINCIPALMENTE ÀS MÃES, como o menino Ariel na foto abaixo...