09/08/2015

6º Bazar Beneficente | Missão cumprida!

Às 5h30min da manhã de sábado o carro já estava carregado para levar uma parte das doações para a 6ª edição do Bazar Beneficente realizado no bairro Brejaru em Palhoça/SC. E essas idas e vindas ocorreram por mais quatro vezes por conta da grande quantidade de caixas e sacolas.

No local, tudo foi arrumado para receber as pessoas e às 9h45min abrimos o portão.





A maioria crianças, em busca do presente para o pai.

Durante o dia, dois fatos nos chamaram bastante a atenção...

Um deles foi um menino franzino, aproximadamente 06 anos que queria comprar um presente para seu pai com uma moeda de R$ 1,00. Tímido, se aproximou de mim e bem baixinho perguntou:

- "Moço, o que eu posso comprar para o meu pai com essa moeda?"
- "Do que o seu pai gosta? - perguntei.
Rapidamente ele respondeu:
- "Ele gosta de coisa evangélica e de ler. Meu pai é pedreiro e saber ler, sabia?" - contou todo orgulhoso.

Como tínhamos livros e estes não eram vendidos, mas doados, encontrei um com mensagens bíblicas e disse para o menino que aquele livro ele poderia levar e que com a moeda que tinha, compraríamos outro presente para o pai. Peguei uma carteira e um porta-moedas, todos em couro. Na hora que ia pegar a bolsa para colocar, o menino disse:

"- Não precisa, moço! Eu vou embrulhar os presentes com um desenho que eu fiz". E lá foi ele, correndo para casa, bem ansioso...


Outra situação que me chamou a atenção foi uma senhora que me perguntou se tínhamos talheres. Informei que desta vez não tínhamos e utensílios domésticos vieram poucos. Ela em disse que queria presentear o marido com três (um garfo, uma faca e uma colher). De início achei que ela estava brincando porque falou rindo, mas depois me disse:

- "É que ele leva marmita para o trabalho e ele não tem talheres pra levar. E temos só dois garfos e um faca e uma colher e usamos para todos".

Se eu pudesse sair dali naquele momento e ir em algum lugar comprar um pote de talheres, eu iria. Mas como aquele movimento todo, não teve como. Eu a deixei à vontade para escolher o que quisesse e levou duas calças para o marido e blusinhas para ela e as filhas.

Comentei com uma colega que trabalha perto e sabe onde a mulher mora. Vai doar os talheres.


Nesta edição tivemos um voluntário novo. Lucas, que é morador das proximidades. Eu conheço a família e cedo ele já estava com a mãe e os irmãos esperando o bazar abrir. Ele sempre foi muito educado e prestativo e por conta disso, perguntei para ele se ele queria ficar ali para nos ajudar e perguntei para sua mãe se o autorizava. Tudo certo! Lucas ganho um crachá como todos os demais voluntários!


Sempre atento e prestativo, ficava de olho na porta e sempre me acompanhava em tudo, desde a hora do lanche, de arrumar os calçados, as roupas no balcão ou recolher os brinquedos espalhados. Deu para perceber a vontade de aprender do Lucas e principalmente entendeu a importância de ajudar os outros. E já avisou: quando tiver algo assim novamente, posso chamá-lo!

O que mais foi vendido e procurado pelas pessoas foram as roupas de cama, mesa e banho, além de roupas masculinas e calçados. Não tivemos nenhum incidente ou confusão no local e muitos questionaram  porquê de não fazermos mais vezes o bazar naquele local, pois é uma forma de comprar coisas baratas e não correr o risco de famílias que ganharem, não usar e jogar fora o que ganham.





Quero agradecer ao pessoal da Padaria Mãe Maria, sempre muito prestativos e parceiros em todas as campanhas realizadas através do blog. Na foto, Marciane (de branco) junto com os voluntários!


Por fim, os tão dedicados voluntários.


Sem esse povo eu não conseguiria nada. Só para constar, para este bazar foram confirmadas  17 (dezessete) pessoas. Obrigado, de coração, aos que foram! No sentido horário: Lucas (nosso novato), Cristiane, Lígia, Everton, Fran e Dulce. Foram poucos mas fizemos muita diferença, podem apostar!



Para quem não sabe, o valor arrecadado no bazar será utilizado para a compra de livros na campanha do dia das crianças e a festa será na creche Ulisses Guimarães, no Frei Damião.

As doações que sobraram são utilizadas para a realização de outro bazar em outro local ainda a ser decido: Vila Aparecida (Florianópolis) ou Vila Formosa (São José).

Até lá, arrume seus armários! Que venha o próximo!
Obrigado, pessoal!